sábado, 28 de maio de 2011

ATÉ QUANDO?



O vento rodopia
Em torno do meu rosto
Será Setembro...será Agosto?
Já nem recordo o dia.
Voam as aves da lembrança
Meus olhos já não sabem chorar
Mataram  a minha esperança
Sigo caminho,
donde não posso voltar.

Até quando? Até quando?
Levo um lenço branco acenando.

Passa o vento com seus dedos
Zunindo aos meus ouvidos
Varre a morte e os medos
Liberta-me os sentidos.
Deixa um eco que perdura
E minha recordação se aviva
Lagos nos olhos, loucura
Nesta aventura à deriva.

Até quando? Até quando?
Levo um lenço branco acenando.

Sem comentários:

Enviar um comentário