terça-feira, 12 de abril de 2011

Vestido Vermelho

Naquele jantar em casa de um casal amigo estávamos todos muito bem-dispostos, um ambiente acolhedor, uma decoração moderna, uma luz ténue, quase escuridão. Era um habitual jantar de Natal, que realizamos no inicio do mês de Dezembro

Eles eram decoradores de interiores, e por vezes colaboravam numa famoso programa de TV, e daí o bom gosto, e forma espectacular como aquela casa estava decorada. Nestes jantares existiam sempre algo engraçado, e neste ano a regra era simples, os homens iam vestidos de preto e as mulheres de vermelho.

Durante a noite, eu comecei a ficar incomodado com a maneira com que uma jovem mulher me olhava, obviamente vestida de vermelho, amiga deles. Eram demasiados olhares insinuantes e provocatórios. Era a maneira como ela mordia os lábios a olhar para mim. Era o modo como ela lambia a ponta do indicador enquanto mordia a unha. Eu não sabia quem ela era, mas não conseguia estar atento a mais nada, olhando para o seu rosto e para o seu corpo, envolvido num vestido, onde era evidente a ausência do soutien.

Depois do jantar, ficamos sentados no sofá, e ela sentou-se precisamente à minha frente, vestido ousado que estava a deixar-me louco. Ela era de poucas palavras, mas de movimentos ousados e atrevidos. Eu estava a ficar intimidado com aquele silencioso olhar.

Ela de repente levantou-se e foi ao WC, e eu não perdi a oportunidade e com a desculpa que me tinha esquecido do Telemóvel no carro, fui atrás dela. Decidi confrontar aquela ousadia silenciosa. Ela apercebendo-se que eu a estava seguir, reduziu a velocidade do passo. Quando cheguei à entrada do WC, ela tinha acabado de entrar, e deixou a porta encostada.

Eu entrei, encostei-a à parede e perguntei-lhe:”-O que queres de mim?” A sua mão direita apertou-me exactamente o que ela queria. Eu, impulsivamente, subi-lhe o vestido, peguei-lhe ao colo e sentei-a no lavatório e comecei a lamber sobre o tecido da sua roupa interior, aquele poço de calor que latejava dentro do seu corpo. Sempre em silêncio, sem palavras nem ruídos. 

Tudo misterioso mas intenso, e ela recebia os meus movimentos com total agrado e satisfação, principalmente quando desviei o tecido, e a minha língua tocou directamente na sua pele húmida. A minha língua carinhosamente percorria aquele leito de prazer.

Quando baixei as calças, lhe mostrei tudo o que tinha para lhe oferecer ela decidiu ir-se embora. Sinceramente não a percebi. O que teria acontecido? Eu morria de desejo com aquele sabor na minha língua. Quando cheguei à sala retomei o meu lugar, e não havia sinais dela. Notei que a sala estava mais vazia e apenas alguns amigos conversam no outro canto, junto à lareira, outros fumavam na varanda e alguns já tinham ido embora.

Entretanto aparece ela naquele charmoso vestido, com a sua excelente ousadia e classe, desaperta-me as calças, e sem roupa interior, senta-se em cima de mim. Entrei dentro dela de uma forma inesperada. Entrei mas ficamos imóveis. Eu totalmente dentro dela, sentindo as suaves e discretas contracções do interior do seu corpo. Discreto, simples mas intensamente saboroso e agradável. Aquele momento foi rápido, e não durou mais de um minuto.

Ela quis apenas demonstrar-me o seu poder e do que era capaz de fazer, e a minha curiosidade aumentava a cada segundo. Quem seria aquela mulher? Eu não sabia o seu nome, não conhecia a sua voz, mas já conhecia algumas das suas qualidades. Ela queria-me dar prazer, e assim, finalmente conheci a sua voz quando ela me perguntou ao ouvido: “-Na minha casa ou na tua? Eu quero tirar este vestido rapidamente…”

Sem comentários:

Enviar um comentário