quarta-feira, 9 de março de 2011

Soneto

A uma réstia de sonho chamam vida.
A uma sombra maior chamam-lhe morte.
Vida e morte, não mais, pouso e suporte,
sopro de permanência e despedida.
Uma treva febril noite é chamada.
A uma luz mais febril chamam-lhe dia.
E entre elas se põe a estrela fria
que irrompe como flor da madrugada.
Paira em tudo um silêncio que anoitece,
que amanhece, e que vence todo ruído,
e como sol não visto num perdido
Horizonte se esfaz e se retece,
Tudo é longe demais, por demais perto.
E a alma, que faz neste feroz deserto?

Sem comentários:

Enviar um comentário