quarta-feira, 9 de março de 2011

FUGA




Procura-me nos campos
incendiados de papoilas
Nos caminhos errantes
polvilhados de margaridas.

Nos rios correndo livremente
Nos mares murmurando espumantes…!
Nas certezas mais esquecidas

Procura-me na estrela
Que estiver por descobrir.
Na penumbra do tempo
ou na chuva a cair
Na lua prateando
o frio da madrugada
Na rosa mais rubra
que morrer entreaberta.

Procura-me no silêncio
de todas as palavras
No silêncio amorfo
De todas as minhas fugas!

Procura-me no começo de tudo
Porque só aí me encontrarás
Transformada em Poeta!

Sem comentários:

Enviar um comentário