quarta-feira, 30 de março de 2011


A Dama das Horas

Um brilho elegante impresso nos olhos
Derrama gotas de ameno mistério
E um gesto lento impresso no ar
Desafia o caminhar das horas.

Perdida em si mesmo
Mas dominando os séculos
Ela apascenta a crueldade do tempo
E silencia todos os bronzes.

E, não sei se pelo brilho elegante
Se pelo mistério ameno
Pelo desafio do gesto lento
Ou pelo calar dos bronzes
Deixa um instante indelével
Guardado em mim.

Sem comentários:

Enviar um comentário