sábado, 22 de janeiro de 2011

21 Amores-Perfeitos



…talvez uma Flor,
Entre todas um Amor-perfeito,
Mimada menina de sorriso suspeito,
Corpo delicado denunciando meu rubor,
Entre Amores-perfeitos, um perfeito Amor,
Flor de primavera colhida com terno jeito!


Como tão tenra Flor,
Tentação irresistível de Amor,
Foi tão poderosa tentação,
Perdurando tentadora paixão?!...
E perdura sem perder sua cor,
Entre páginas de nosso coração,
Livro que Amamos com fervor,
Dicionário de infinito valor!


Quando numa nuvem que se desvanecia,
Erigi um enigma com o verde do teu sorriso,
Decifrei por ti teu desejo ingénuo que crescia,
Nos fragmentos misteriosos de minha ironia,
Desvanecendo-me num sentimento indeciso,
Entre a nuvem que ficou e um verso impreciso,
Desejando abrir teu livro em teu corpo de poesia!


Segredou-me uma abelhinha,
Voando num cantinho da Lua:
-Tua madrugada para ti se insinua,
Esperando o sol que se adivinha,
De princesa de luar a luz de rainha!
-Confidência que o enigma tem como sua!


Teus lábios ardendo em fogo atrevido,
Bailavam no fogo-fátuo do pensamento,
Apostaram na frivolidade falsa do momento,
Mas, de frívolo, que o beijo até podia ter sido,
Foi um desejo intenso pelo Amor bem medido,
Mão de Deus em abençoados jardins ao vento,
Abençoando um florescido primeiro rebento!


Sobre mares incertos de espinhos pungentes,
Amores-perfeitos em ínsulas de rosas emergiam,
Transformando-se em mãos de Deus que protegiam,
Metamorfoses de flores em jangadas de novas sementes,
Apelavam a mais desejo pleno de seus Amores conscientes,
Inconsciência dos Amores-perfeitos que o Amor sentiam!


Segredou-me uma abelhinha petulante,
Voando de flor em flor no nosso jardim:
-O pólen de Janeiro é fecundante,
Em 19 de Março, dia do pai é ternura cintilante,
É a sagração do Amor-perfeito na resposta do sim!
-Pesaram-se na balança de Outubro tuas flores de mim!

De tão leve, o tempo que nos é oferecido,
É Amor só nosso em coração do vento amigo,
Que entre ciclones de verão e brisas de inverno,
A Primavera de Pai é fértil esposa de Amor materno,
Árvore de Outono plantada em meu solo, teu abrigo,
Sou teu alimento seguro, sagrado de Amor eterno,
Rico para além do ouro, de teu Amor é mendigo!


Só minha tristeza nosso Amor não merece,
Mas de tão feliz, meu coração entristece,
Porque o tempo passa sem deixar o perdão,
Deixando a certeza da vida que fenece,
No Amor imortal de nosso coração!


Foram breves estes vinte e um tenros anos,
Tão intensos quanto nossa natural ambição,
De tão dignos no melhor ser dos Humanos,
Que o Amor a ninguém cause tristes danos,
Todos os corações o mereçam com elevação,
Se perdidos, o melhor do respeito na redenção,
Bordados de Amor na Alma dos melhores panos!


Que todos, todo o Amor saibam oferecer,
Porque só esses, o Amor poderão merecer!
*

Sem comentários:

Enviar um comentário