sábado, 23 de outubro de 2010

SOMBRAS


Nos meus olhos...há sombras sem nome
Sombras flamejantes de pensamentos
Na solidão que no mundo me coube
Nas palavras por dizer...de momentos

Nas sombras que povoam minha mente

De vozes distantes...que não sou eu
Numa dor...pressentida...fremente
Da vida... que em mim morreu

Vejo em sonhos...essa sombra que desce

No escuro da noite...na fria madrugada
Essa sombra negra...que não me esquece
Sombra da morte...na noite sepultada

Minha sombra...em gestos doloridos

É voz da minha dor...da minha queixa
Grita...murmura aos meus ouvidos
A solidão...que esta voz deixa

Na sombra da tristeza...vejo o tempo correr

Corre veloz...como a chama da vida
Solto minhas lágrimas...doi-me tanto viver
Corro contra o tempo...em despedida

Minha alma...de negro vestida

Sepultada...com os sonhos...emoções
Na bruma do tempo...esqueço a vida
Na sombra de mim...enterro as ilusões

Nas sombras da noite...estendo a mão

Afasto os fantasmas que estão em mim
Sombras da minha sombra...são escuridão
São negro céu...abismo sem fim

Sem comentários:

Enviar um comentário